8 de novembro de 2012

Inov C16 - DST SGPS - EUA - João Wang de Abreu


Dentro das energias renováveis a energia solar é uma das maiores apostas da DST, sendo os Estados Unidos da América uma das frentes de actuação, recorrendo a painéis fotovoltaicos Made In Portugal e utilizando competências técnicas nacionais, adquiridas ao longo de mais de 500 projectos realizados.

É neste contexto que um jovem engenheiro do ambiente, ex Deloitte, se enquadra perante o desafio de recorrer às mais-valias e ao melhor que Portugal tem, através do seu ensino sólido em engenharia e às soft skills que fazem parte de todos os lusitanos.

De facto, há muito a dizer sobre diferenças culturais e organizacionais ao nível de métodos de trabalho, cultura empresarial e forma de olhar para os negócios através do ponto de vista americano.

Horários, maneiras de negociar, estilos de vida, valores, cidadania, conceito de sucesso e de felicidade são aspectos que, ao lidar com eles, fazem com que aprendamos todos os dias. A verdade é que todos os europeus deveriam, ao longo das suas carreiras, contactar com esta cultura.

De início é normal haver diversos preconceitos em relação à América, face às notícias, filmes e documentários que atravessam o Oceano Atlântico.

A verdade é que, após o difícil custo de entrada nesta sociedade (diria 1 mês de adaptação) e passado o primeiro choque cultural e idealístico, começamos a compreender o porquê daquilo que vemos no dia-a-dia e vamo-nos adaptado ao estilo de vida americano. Como dizia Pessoa, referindo-se à americana Coca-cola “primeiro estranha-se, depois entranha-se”. Aos poucos vamos absorvendo e sendo absorvido por esta panóplia de diversidade e riqueza cultural, aprendendo com o melhor que cada cultura tem para nos oferecer.

As principais diferenças entre a realidade nacional e a americana estão, provavelmente, ligadas a conceitos como eficiência, pragmatismo e ao facto de se ir directo ao assunto, sem rodeios e chicos espertismos. A este nível, a forma como se encara os negócios e formas de trabalhar fazem com que as coisas realmente funcionem e aconteçam.

A massa cinzenta nacional é cada vez mais reconhecida a nível internacional, e temos qualidades únicas quando comparados com outros países, ao nível da adaptabilidade, versatilidade, aptidão para línguas e pensamento out of the box. A junção destas características com o melhor da sociedade americana potencia as qualidades chave para o sucesso de uma equipa de trabalho e, por sua vez, das empresas que acolheram cerca de 30 inovs nas terras do tio Sam, em 2012.
My last meal in US. Cozido à Portuguesa. Obrigado ao Joe, Ricardo e Vítor, companheiros de aventuras e desventuras.
E com esta história do Sandy não foi possível fazer seja o que for ao longo dos meus últimos dias em NYC. Posto isto, não se pode dizer que saí da big apple em paz com a cidade. Não foi feito o "closure" como deve de ser. É pena... a despedida do emprego foi feita à pressa e a despedida da cidade não foi feita como deve de ser.
Por vários dias parecia que estava no 3º mundo. Acho estranho como é que a maior potência económica mundial não tem medidas de contingência mais eficazes para este tipo de situações. Refiro-me mais especificamente a NYC.
Mas pronto... foi o fim de uma jornada muito interessante, onde vivenciei muito. Todos os europeus deveriam viver pelo menos 6 meses nos USA para aprenderem assim como eu aprendi.

26 de outubro de 2012

Devido à diferença horária tenho recebido, ao longo destes meses, mensagens no meu telemóvel português a horas indecentes. Como tenho sono leve acordo quase sempre. Obrigado ao: Continente, Springfield, Vodafone e Zon. (ou o burro sou eu por ainda não as ter desactivado).
E a nossa residência albergou as seguintes pessoas ao longo destes 5 meses:

1. Paulo 2. Ana 3. Mafalda 4. Joao perez 5. Shannon 6. Kaja 7. amiga da Kaja 8. Diogo (inov) 9. Martin 10. Telma 11. Joli 12. Márcia 13. Susana 14. Sofia 15. Mafalda 16. Júlio 17. Valter 18. Andre 19. Joana (inov) 20. Leonor 21. Marta 22. Vitor 23. Cláudia 24. Teresa 25. Miguel 26. Sónia 27. Paulo 28. Primo Diogo 29. Prima Diogo 30. Francês 31. Miguel (inov) 32. Filipe (inov) 33. Carlos 34. Sofia 35. Ana 36. Valentin 37. Bruno. 38. Irmã da Inês 39. Namorado da irmã da Inês


23 de outubro de 2012

Ontem fiz a primeira sopa da minha vida. Sopa de Cenoura. Obrigado ao Ricardo, à minha mãe, à Inês e à Internet por aperfeiçoar a receita. Cenoura, tomate, cebola, alho, caldo Knorr. :)

22 de outubro de 2012

A escapadela de fim de semana deu para tirar várias conclusões e confirmar alguns dos pensamentos que já tinha. Nova Iorque não simboliza a generalidade da América  É uma cidade singular e não se pode retirar ilações sobre a América só com a experiência de Nova Iorque.
Apesar de em 2005 ter feito a West Coast toda e Las Vegas, faltavam-me mais cidades na East Coast.
As 3 cidades que fui (Philadelphia, Washington e Baltimore) são de facto muito interessantes.
São verdes, mais limpas, mais calmas, com pessoas mais sorridentes, bicicletas, menos prédios e espaço para esticar os braços e não tocar em prédios.
Washington é uma capital imponente, organizada e onde os edifícios governamentais estão bastante bem distribuídos e funcionais. É uma capital alegre, as pessoas sorriam e podia andar-se de bicicleta para todo o lado. (estou com esta da bicicleta ultimamente).
Baltimore é uma cidade de média dimensão mas a partir dela é possível ver o poderio deste país através da força económica e comercial. Também bastante arejada e simpática.
Fugir de NY fez-me bem. Devia ter escapado desta panóplia mais vezes. NY não é a minha cidade, apesar de já a considerar minha. :)

 Washington
 Washington
Baltimore
A minha ida este fim de semana a 3 cidades, numa rota turística organizada por chineses foi bastante interessante. A companhia de turismo é da Chinatown, o guia era chinês e 50% do pessoal que ia na viagem era chinesa. O guia falava chinês e inglês. Deu para ouvir e perceber as coisas duas vezes.  :)

16 de outubro de 2012

É oficial. Estou viciado na Amazon... os produtos electrónicos e tecnológicos são tão mais baratos e a oferta é tão superior ao que existe em Portugal...
video
E passeando pela 5ª avenida vêm-se frequentemente paradas e desfiles temáticos.
É ali ao fundo onde eu vou todos os dias . Belos 40 minutos da estação central, mais 30 até casa... Nem se vê bem, mas fica a Nordeste de Manhattan.
É sempre bom andar de casaco e cahecol em NY e ver coisas destas. Acalenta-nos o espírito, é melhor que um starbucks. Ou não. 

Numa sociedade civilizada são os utentes que escolhem o tipo de plano de aumentos no sistema de Metro de uma cidade. NY assim o faz. 


15 de outubro de 2012

Hoje o metro não parou na minha estação. Houve um incêndio na estação e estava em fase de rescaldo. Então continuei até Newark, onde fui jantar uma granda vitela. A carne era tanta que trouxe para casa. Amanhã já tenho jantar!

13 de outubro de 2012

Mais um concertozinho na 5ª feira. Neal Morse + Mike Portnoy (o meu baterista preferido). Não há género musical que me dá mais prazer do que rock/metal progressivo (Dream Theater, Porcupine Tree, Pain of Salvation, Neal Morse, Spock's Beard, Transatlantic). O melhor da melodia, harmonia, energia e composição musical em 3 horas de concerto. Maravilha.


Edit: Esqueci-me de dizer que apertei a mão ao Neal.

7 de outubro de 2012

2 de outubro de 2012

30 de setembro de 2012

Hoje fui fazer as compras quinzenais ao grande supermercado ShopRite e desta vez levei o Governo Sombra da TSF comigo. Podcasts são das melhores coisas já inventadas. E rir-me sozinho no supermercado também.

23 de setembro de 2012

Ontem fui ao cinema em Chelsea ver o The Master, o novo do Paul Thomas Anderson. Não gostei muito... não vou dizer porquê para não fazer spoilers. Depois foi o concerto de Efterklang no Metropolitan Museum of Arte. Sendo uma das minhas bandas favoritas (é indie-pop) eles tocaram com orquestra e foi um concerto e pêras. A quantidade de hipster por metro quadrado era muito elevada e toda a gente comprava cds (viva o poder de compra, comparado com Portugal).


20 de setembro de 2012

Hoje foi dia de sentar-me num clube de Jazz a apreciar a magia que o Keyboard Wizard Jordan Rudess emana daqueles dedos. Puro prazer musical. E como cereja no topo do bolo fui falar com ele. Para além das 6 vezes que já o vi com Dream Theater hoje vi-o a solo, com o seu keyboard, ipad e piano de cauda.


16 de setembro de 2012

Foi um sentimento interessante aquele ao chegar ao JFK vindo do México e não me sentir turista. Saber para onde ir, que metro apanhar, ter o passe, etc. Foi a mesma sensação que tive quando voltei a Praga. Parece que estou a começar a deixar de ser turista em NY.

12 de setembro de 2012

"Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas!"  Que slogan mais estúpido... Este pessoal que organiza as Manifs tipo a da Geração à Rasca deve ser uma cambada de iluminados que de produtivo fizeram 0.

A Troika veio tentar limpar a casa. Se o Governo não executou as medidas do memorando com a celeridade que estava estipulada isso já é outra história. Cortem nas PPP's, rendas de electricidade e afins, que estavam todas escritas no memorando. O atraso nos prazos é muito. Também me parece que eles exageraram desta vez, mas também parece que as contas públicas estão de facto más e o Governo sabe mais do que nós e não nos diz.

Queremos as nossas vidas? Aposto que este pessoal tirou umas belas licenciaturas que já sabiam à partida que a taxa de empregabilidade era baixíssima e daí, por não terem nada de mais interessante para fazer, gostam de atirar bitaites pró ar e criticar tudo o que lhes rodeia. Ou então têm 28 anos, pertencem às associações de estudantes e às tunas e têm 10 cadeiras feitas. Queremos as nossas vidas? Lutem por elas! Esforçem-se nos cursos para ter boa média e fazer o curso nos anos que ele deve ser feito, façam carreira e CV, e lutem assim como eu estou a lutar, nesta difícil NY.

Certo que há arquitectos, psicólogos, enfermeiros que fizeram tudo direitinho e que a conjuntura não lhes tem favorecido...

Certo que há razões para indignação, mas que ao menos sejam críticos construtivos. Estou farto de críticos destrutivos só porque sim. Hoje estou um pouco revoltado. Amanhã já passa.

7 de setembro de 2012

A verdade é que esta cidade é cansativa. Vou ter uns merecidos dias de descanso. Como as viagens para o México daqui são mais baratas do que de Portugal, é de se aproveitar.

1 de setembro de 2012

Uma das coisas boas de cá estar é poder ver o Daily Show com o John Stewart todos os dias as 23h no Comedy Central. Tendo a Fox, CNN, NBC e etc está-se sempre a par dos acontecimentos que o Daily Show fala. Esta semana foi a convencão republicana. Obama vs. Romney está 50%/50%. O episódio de 31 de agosto está especialmente interessnte. http://www.thedailyshow.com/full-episodes/fri-august-31-2012-
P.S: O Romney não é grande coisa.
Ontem estava um sr. a tocar bateria na rua, como é típico por aqui. Pedi se podia tocar um bocadinho e pronto, ao fim de alguns meses sem tocar bateria lá dei uns toques.

31 de agosto de 2012

28 de agosto de 2012

Gosto de andar mais devagar na rua do que os Nova Iorquinos. Nem que isso implique acordar 5 minutos mais cedo.

21 de agosto de 2012

Num domingo em que dormi 4 horitas fui a um meeting de portugueses organizado pelo Portuguese Circle aqui em Manhattan. Fomos até à Governors Island, num ferry à borla. São 5 minutos. Muito simpática a ilha. A regressar.
P.S: As fotos panorâmicas da minha máquina são mesmo fixes. 




Hoje é dia de fazer de jornalista da Blitz.
Sábado fui a um dos festivais que percorrem a América, levando bandas atrás. Trespass America. Das 7 bandas só queria mesmo ver 2. Killswitch Engaged e Trivium (que já tinha visto 1 vez em Praga). Comprei o meu bilhete, 36 dólares (bom preço) e vi o concerto nos lugares sentados, pq não queria estar em pé durante 5 bandas que não me puxavam assim tanto.
O meu chefe perguntou-me o porquê de gostar de metal. A resposta é simples: o metal consegue transmitir emoções e sensações que mais nenhum género musical consegue. Quando ouvimos aquela música que já ouvimos 200 vezes, sabemos-la de cor e sabemo-la tocar (no meu caso na bateria) há um  conjunto de feelings positivos dentro de nós que despertam. A energia que a banda nos transmite é recebida por nós de uma forma que mais nenhum género musical consegue transmitir. Foi desta que finalmente ouvi a Rain dos Trivium e a Rose of Sharyn e a My Last Serenade dos Killswitch.
Toda a gente sabe que gosto de diversos estilos musicais, mas como costumo dizer, um concerto de metal de vez em quando faz bem ao espírito. :)



13 de agosto de 2012

Na minha ida domingueira à praia, já que se demora 1h20 de metro, levei o meu iPod e estive a ouvir josé cid: 10 000 anos entre vénus e marte (obra prima que já não ouvia há muito tempo). Para quem não sabe o Cid compôs 2 albuns de Rock Progressivo tipo King Crimson+Pink Floyd, mas que não vendem em Portugal e por isso ele transformou-se naquilo que hoje conhecemos.

Depois estive a ouvir as 5 músicas de Lost Chance (minha banda entre 2005 e 2008) e 3 músicas gravadas de Recycle, banda que tenho com o Rui. Claro que Lost Chance (metal) n vai agradar a todos vocês. Recycle já é mais audível. Estou realmente orgulhoso das coisinhas que uns adolescentes de garagem conseguem fazer. :) Tudo gravado no meu "estúdio".


Lost Chance:

Lost Chance - Unity vs. Everything Else


Lost Chance - One in a million

Recycle:

Recycle - Animal

11 de agosto de 2012



Pelo passeio de hoje, fui ao World Financial Center, torre 2, na zona do antigo World Trade Center, onde fica um dos escritórios da Deloitte em Nova Iorque. Um abraço a todos os Deloitteanos. 




Por entre os muitos museus desta cidade o Museum of the Moving Image é uma paragem obrigatória para os cinéfilos. É um museu muito bem conseguido, fora do roteiro turístico (é em Queens) e por isso n tem mta gente. Deu para passear um bocadinho no mundo da sétima arte. Entretanto encontrei por lá o Gnomo da Amelie, que ainda anda a passear pelo mundo inteiro.

8 de agosto de 2012

Ontem num evento social num rooftop em Lower East Side uma americana perguntou "How's Portugal in the Olympics?" Ficámos todos sem resposta. e ela "I heard Granada won its first gold medal". Ao menos hoje tivemos uma medalhinha.
Quando pensamos que o Chocapic é internacional, deparamo-nos com a inexistência deste produto de qualidade aqui nos EUA. Por isso, desta vez que fui a Newark tive que comprar alguns produtos bem familiares, que um gajo aqui já sente saudade. 

3 de agosto de 2012

Hoje estivemos em Jersey a visitar uma High School (escola secundária) para fazermos uma proposta de instalação de painéis solares, numa cidadezinha de pequena/média dimensão. A típica high school americana, com corredores cheios de cacifos e muitas salas de aula. A escola ensina 1300 jovens e tivemos a falar com o Jan-itor (para quem vê Scrubs percebe), porteiro que lá trabalhava há 36 anos. De salientar o esforço para o desporto que todas as escolas, americanas denotam.
A criatividade é a inteligência a divertir-se.

2 de agosto de 2012

31 de julho de 2012

No fim de semana passado fomos às Cataratas de Niagara. A noção de distância entre dois locais muda completamente nesta terra. Na sexta fomos a Washington a um cliente. 4 horas de ida + 4 de volta. Sábado, para visitar as cataratas são 7 horas de carro. Portugal é, de facto, um país pequenino e isso explica muita coisa...
A beleza natural desta bola redonda é fantástica. A viagem de barco que vai quase por baixo das cataratas, onde levamos com água na carola é muito interessante. Pagar uma portagem de 50 centimos para ir ao Canadá também é caricato. 
O lado do Canadá é mais interessante do que o lado dos USA, porque fica menos fora de mão para os canadianos do que para os americanos. 
Valeu a pena.


30 de julho de 2012

Um bónus para os leitores do meu blog. Torneio Deloitte Cup, Maio 2012. Ter um discurso futebolístico eloquente e interessante é praticamente impossível. Já sei o que sente um jogador da bola.
http://www.youtube.com/watch?v=uG2JNuOSLBo&feature=plcp

26 de julho de 2012

Não existem néctares como os da Compal. E depois de ter trabalho directamente com Sumol+Compal, enquanto estava na Deloitte, mais crédito eles merecem. Em Newark não pude deixar de comprar néctar de pêra. A tostadeira de 19.99$ que comprei aqui para a copa do escritório serve para umas belas tostas todos os dias. Os americanos não devem gostar de tostas porque só eu é que a tenho usado...

25 de julho de 2012

Os cinemas aqui custam entre 10 a 13 dólares. Ontem paguei 11 para ver o Dark Knight Rises (tão bom). As cadeiras não são estáticas, baloiçam um bocadinho para trás para ficar mais confortável e tem-se imenso espaço para as pernas. :)

24 de julho de 2012

Maluquinhos há em toda a parte no mundo. Quando dizemos "ah. só na América é que isto acontece", a verdade é que concordo, mas temos que pensar no porquê. Malucos existem em todos os países desde o Rei Ghob em Torres Vedras ao Kim Jong-Il na Coreia do Norte. Agora a verdade é que, na América, o fácil acesso a armas e o "culto" da posse de arma, bem como palavras como violência e guerra são bastante comuns no dia-a-dia deles. (ver o documentário Bowling for Columbine, ficarão a perceber). Por exemplo, no Kmart vendia balas, sem limite ao número de balas a ser comprado por pessoa. Não admira então que a junção da parvoíce humana com o fácil acesso a armas dá nisto. "Pathetic Freak!"
Ontem andámos por Newark, em reuniões da empresa e almoçámos num restaurante português. Comi jardineira de vitela. Normalmente o menú diário não tem interesse para o mundo dos blogs, mas quando a alimentação nesta terra não é grande coisa, a jardineira de vitela é provavelmente o meu ponto alto do mês, a nível culinário. Bem boa! (e o almoço foi acompanhado de Sumol Laranja).

19 de julho de 2012

"If you can't get rid of the skeleton in your closet you'd better take it out and teach it to dance"

17 de julho de 2012

Odeio Aftas!
E ter que esperar meia hora pelo comboio que não veio, com 36ºC à sombra.

13 de julho de 2012

Ontem a banda sonora a voltar para casa foi Dream Theater: Systematic Chaos e a banda sonora Amelie.
-NY é de facto um Systematic Chaos onde, apesar do caos aparente, as coisas funcionam e são produzidos resultados. 
-Não é todos os dias que se está com o mood para ouvir Yann Tiersen e a banda sonora da Amelie. Pergunto-me quantas Amelies existem nesta cidade... Um * à Audrey Tautou.


"Et puis j'aime bien repérer le petit détail que personne ne verra jamais"

11 de julho de 2012

9 de julho de 2012

Ontem foi um dia de Domingo como deve de ser.
-Acordar
-Passar a Ferro
-Praia (a almoçar McDonalds no metro pq é 1h de caminho até à praia) Coney Island
-Jantar Sushi
-Ver um bocadinho de ciclismo, Volta à França (aqui dá o resumo do dia das 20 as 23h), America's Got Talent e um episódio de Game of Thrones (S02E09), só falta um! (Tyrion Lannister para primeiro ministro de Portugal, já!)



5 de julho de 2012

Há 1 ano atrás o euro estava a valer mais de 1.4 doláres. Agora vale 1.25. Sorte...

3 de julho de 2012



Ontem foi dia de ir ao Bryant Park, perto da Times Square. Todas as segundas há cinema à borla (bons filmes, ver foto). os filmes comecam as 21h. chegámos as 19:15 e arranjar lugar já era complicado. too much people for such a "small" area. Deu para deitar um bocadinho na relva no fim de tarde. Não vi o filme, pq só víamos 10% do ecrã. Mas vi o sol a pôr-se por entre 2 prédios. (ofusquei-me).  

29 de junho de 2012

O que difere de uma cidade em que nos sentimos turistas de uma cidade que se torna "nossa"? Estava no outro dia a falar deste assunto com a mml e de facto aos poucos uma cidade sofre uma transformação gradual dentro de nós e vai deixando de ser vista por olhos de um turista. Os olhos de turista transformam-se em olhos de alguém que vai incorporando a cidade dentro de si e embrenhando a sua personalidade na cidade. Isso aconteceu em Praga. Ao fim de 6 meses podia dizer que a cidade era minha. Quando lá voltei 1 ano e meio depois não me senti como turista. NY é grande para se poder dominar todas as esquinas, transportes e bairros, mas ainda tenho 4 meses para conversar, sussurar, gritar e cantar com ela. Vamos continuar a ser bons amigos. 

28 de junho de 2012

Hoje dei por mim a dizer "Está um iPhone ali na kitchen". Síndrome imigrante a apoderar-se de mim.

27 de junho de 2012

Uma das melhores coisas nesta cidade é sem dúvida os bares localizados em rooftops (últimos andares dos edifícios). Sabe bem a qualquer hora do dia.

26 de junho de 2012

Para poder assinar projectos nos EUA tem que se fazer um exame de 8 horas de 50 perguntas, cruzinhas. Na área de Engenharia do Ambiente os temas são:
- Water
- Solid Waste
- Air
- Site Assessment and Remediation
- Environmental Health and Safety
- Associated Engineering Principles
http://www.ncees.org/Documents/Public/Exam%20specifications/PE%20Env%20Apr%202011.pdf


Resumindo, tudo aquilo que um engenheiro do ambiente puro e duro está rotulado, e aquilo que não sou. (o que sou é energia, gestão, sustentabilidade, eficiência, política e economia do ambiente).
Finalmente conduzi um carro com mudanças automáticas, não estivesse eu na América.

24 de junho de 2012

Pequenas coisas que nos fazem sorrir: Pirilampos em Jersey City a acompanhar o meu jogging de hoje ao fim da tarde/noite.

23 de junho de 2012

Um dos meus companheiros dos últimos tempos. An Idiot Abroad. Grande série. Recomendo. Wise words. Pés assentes na terra. Espírito crítico, sempre. 
"Everyone thinks should be happy. It's all about living a dream. If you're living a dream how do you know you're awake or if you're assleep?"
Nesta cidade posso fazer air drumming à vontade, com os meus phones postos, a ouvir seja o que for. Nada parece mal.

21 de junho de 2012

Obrigado ao Correio da Manhã por proporcionar umas boas gargalhadas aqui no escritório. Notícias de hoje:

"Miúdas arrancam coração de amiga e levam-no para casa"
"Sexo gay no cemitério acaba em homicídio"
"‘Homem-Aranha’ morre em assalto"
Retiro o que disse há uns tempos atrás. Estou farto dos cafés americanos. Baldes de água suja... Meu rico (n)expresso!

19 de junho de 2012

No outro dia foi dia de ir a um Comedy club perto da Broadway. Cerca de 8 comediantes stand-up em 2 horas. Muito bom.

13 de junho de 2012

Ontem foi dia de ouvir Três Cantos (José Mário Branco, Sérgio Godinho e Fausto) enquanto estava no Metro de Manhattan. É mais uma das sensações diferentes que se sente nesta cidade.

11 de junho de 2012

Das coisas mais chatas de não estar em Portugal é não poder ver os concertos dos Ornatos Violeta, quer em Junho no coliseu, quer em Outubro em Paredes de Coura.... Paciência. Eles terão que dar novos concertos. =)

10 de junho de 2012

Hoje o jogging foi em Jersey City, perto de nossa casa (a casa é o ponto A). Na zona Verde a sul. Uma área verde muito grande, com uma vista fantástica sobre o sul de Manhattan, Estátua da liberdade e Ellis Island. É algo surreal fazer jogging a olhar para o Financial District e toda a panóplica da cidade. Mas é uma boa sensação. Gostei. Não sei é como é que vou correr quando tiverem 35ºC com humidade do ar elevada.


Ontem foi dia de Euro 2012 com o jogo de Portugal. Fomos a Newark onde existe uma grande comunidade portuguesa. Têm força e têm uma posição definida no seio da comunidade. Fecharam a avenida principal, ecrã gigante, musica ao vivo, djs, ranchos, tunas, bailaricos, bifanas e sardinhas. Fizemos um bom jogo. Estou confiante para os próximos jogos.